Travel to Asia, Travel to Mars
Leave a comment

A viagem a Calcutá. Insónia.

Desculpe-nos, mas este texto esta apenas disponível em Inglês Americano. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

 

Hoje não consigo dormir. É uma daquelas noites em que o calor, a humidade, a roupa colada ao corpo e o barulho do ar condicionado se tornam intoleráveis.

Depois há as imagens que me varrem os pensamentos…

O olhar vazio daquela menina no orfanato, a criança descalça cujas pernas arqueadas gritavam subnutrição, o cão que me lambeu a mão e tinha um corte profundo na sobrancelha, a vaca que caminhava perdida por entre os carros, os macaquinho bébé agarrado à sua mãe acorrentada e o barulho que não quer sair dos meus ouvidos do trânsito nesta terra.

Calcutá é para os fortes, os que perante o desespero não desistem, (hoje após 20 minutos a tentar apanhar um taxi, apeteceu-me desistir e voltar para casa) para os que batem o pé e regateiam, para os que empurram com mais força para entrar no metro, para os que mesmo suando em bica conseguem fazer o seu trabalho com um sorriso.

São milhões, 35 milhões? Nem sei ao certo. São muitos, não há ruas vazias, nem espaços por completar. Há multidões de tudo e no meio do tudo há também solidão.

Tem sido uma experiência difícil mas enriquecedora. Acho que isto é que é viajar.

Fugir da nossa realidade estéril e dar de caras com um mundo novo.

Dá-me vontade de viver (ainda) mais.

Beijos e saudades

Sofia

email

Deixe uma resposta