Travel to Madeira
comments 2

Hotel Quinta da Serra – uma história de amor

Hotel Quinta da serra

Hotel Quinta da Serra – uma história de Amor

No passado dia 14 de Fevereiro, fui conhecer o Hotel Quinta da Serra, um convite a relaxar e a renovar energias.

Estava também muito curiosa por experimentar o seu restaurante, Greenvalley, que para além de ser liderado pelo Chef Yves Gautier, foi o primeiro restaurante em Portugal (sim, em todo o país), a ter certificação de Restauração Biológica – nível Bronze (30% a 60% orgânico).

Este hotel aloja também a árvore mais alta da Madeira, com mais de 64 metros de altura. É um impressionante eucalipto que se encontra à entrada da Quinta e que se supõe que tenha mais de 200 anos de idade, associado a uma lenda de amor…;)

Localização

Localizado a 820 metros de altitude, no Estreito Câmara de Lobos. Este Hotel de 5 estrelas, tem um charme muito próprio, rodeado por um ambiente exclusivo das quintas antigas madeirenses, em belíssima comunhão com a natureza.
Para lá chegar, ao passar junto à Igreja do Estreito Câmara de Lobos segue-se em frente, seguindo as indicações para o Jardim da Serra. São cerca de quarenta e cinco minutos de carro desde o Aeroporto e cerca de trinta minutos até ao centro do Funchal.

A História

Em 1809, um Escocês chamado Henry Veitch, deixou a Inglaterra (diz-se que foi para esquecer a morte da sua amada, falecida quando dava à luz), na sequência da sua nomeação de cônsul geral britânico, e veio viver para a Madeira onde se apaixonou perdidamente.

Além dos seus interesses pelo vinho (especialmente pela casta sercial), adquiriu várias propriedades na Madeira tais como a Quinta Calaça, hoje C.N.F, o Instituto do Vinho e cerca de 1.155 mil metros quadrados, onde ergueu a sua casa de férias, o atual Hotel Quinta da Serra.

A Lenda
(Esqueçam lá os cadeados de amor nas pontes, isto é muito melhor…;))

O cônsul teve o cuidado de preservar as árvores nativas mas introduziu novas espécies trazidas de todo o mundo. A plantação das árvores era feita exclusivamente por mulheres, pois acreditava-se que as suas mãos transmitiam a fertilidade, mas houve uma delas que lhe despertou atenção…Ela plantava um Eucalipto vindo da Oceânia que emanava um perfume nunca antes conhecido. O Cônsul pediu-lhe para que se encontrassem todos os dias, junto daquela árvore, onde se apaixonaram e casaram. De todos os eucaliptos plantados nessa época, este continua a ser o mais alto, regado com amor…e é por isto que se diz que quem à Quinta da Serra vier, e o eucalipto abraçar, terá um Amor Eterno.”

Henry Veitch acabou por vir a falecer no Funchal em 1857. Hoje encontra-se sepultado (juntamente com o seu cão, que adorava) no mausoléu mandado construir pela sua mulher, na quinta do Jardim da Serra.

O Hotel

A Casa-mãe tem paredes côr de rosa, em perfeito contraste com o verde dos jardins que o rodeiam, onde se podem ver camélias, cerejeiras, eucaliptos, carvalhos, plátanos, vinháticos e o til.

Poderá ainda fazer uma visita gratuita, guiada por um agrónomo, que sendo desta localidade, tem uma paixão especial por esta quinta.


Dispõe ainda de um bar, Henry’s Bar, onde pode provar ótimos cocktails e encontrar uma sala de jogos, com bilhar e uma biblioteca.

Junto aos jardins existe uma piscina interior de água doce aquecida, o Miamo Bar, jacuzzi, sauna, sala de massagens e ginásio com vista para os jardins. A internet é gratuita e de livre acesso em todo o hotel.

Os Quartos

O Hotel tem 52 quartos que proporcionam vista mar ou jardim a partir das suas varandas. Os quartos estão devidamente equipados com ar condicionado, televisão por cabo, mini-bar e casa de banho privativa com secador de cabelo.



As suites junior têm ainda uma sala de estar com um sofá cama para poder acomodar uma ou duas crianças.

As Suites Napoleão e Josefina estão localizadas na casa Mãe e estão decoradas com a mobília tradicional madeirense.

O Restaurante

O Restaurante chama-se Greenvalley e tal como o nome indica, tem uma bela vista sobre o vale e o mar.

É liderado pelo Chef Yves Gautier, que com seu sorriso e simpatia, diz que na cozinha, é muito importante respeitarmos a sazonalidade dos produtos, a frescura e o sabor que a Natureza nos dá.
Gostava que isso viesse a ser o futuro da gastronomia.

Este conceito reflete-se nos pratos especiais que prepara e que têm um gostinho especial do que é orgânico.

Lombinho de vitela assado com segurelha, puré de aipo e cogumelos selvagens

Tarte soufflé de ananás caramelizado e coulis de frutos silvestres

O pequeno-almoço foi excelente. Pode escolher praticamente tudo o que poderia desejar para o pequeno almoço, desde espumante, a sumo de laranja natural e até a refeições quente preparadas na hora.


Conclusão:

O Hotel Quinta da Serra, é especial, não só pela sua história, mas também pelo meio ambiente envolvente.
Aqui sente-se o que é a Madeira real, não um resort fabricado.
Pode-se ouvir o cantar dos passarinhos, o vento que sopra nas árvores e os cães que ladram ao longe.

A equipa é acolhedora e simpática e o director geral Raúl Gonçalves é visivelmente apaixonado por este projeto.

Este é um local que por estar centenas de metros acima do nível do mar, tem características particulares, que o tornam conhecido por ser um lugar encantador mas onde faz frio, no entanto quando o sol aparece, aquece-nos o corpo e a alma.

Recomendo este hotel se procura algo fora do comum, que seja perto o suficiente das opções da cidade, quando necessário, mas longe o suficiente para se sentir descontraído, num ambiente que oferece conforto, boa comida e belos jardins para relaxar.

Custo:
Desde € 81 por quarto
Para reservar, clique aqui.

 

A minha estadia foi cortesia do Hotel Quinta da Serra, mas as opiniões expressas são minhas.
As fotografias foram tiradas pelo Budgettraveller. Obrigada

P.S. – Se gostam de seguir este blog, podem subscrevê-lo gratuitamente ou seguí-lo por aqui. Obrigada.

email

2 Comments

Deixe uma resposta