Latest Posts

Férias em família (tudo incluído) – Barceló Punta Umbria

Férias em família – Barceló Punta Umbria

Nas férias de verão passamos uma semana de férias no Hotel Barceló Punta Umbria Beach Resort.

– “Onde vamos este ano?” – perguntam os miúdos. Ideias há muitas, um dos sonhos era fazer com eles uma viagem de comboio pela Europa. Aproveitava para visitar alguns amigos que tenho no sul de França, e conhecia melhor Provença. Outra solução, era voltar a Tenerife, pois é uma ilha que adoro e onde tenho ótimas recordações. A Costa Brava está sempre no meu coração, fecho os olhos e estou lá. E, ficou tanto por ver…

Mas pesando os prós e contras, os custos, a comodidade, a ausência de stress/trabalho e os extras, acabamos por decidir voltar ao hotel, onde estivemos no ano passado – o Hotel Barceló Punta Umbria Beach Resort.

Porquê? O que é que o Hotel Barceló Punta Umbria Beach Resort tem de especial?

Acho que só se compreende realmente a experiência, depois de lá passar uma semana. Se à primeira vista pode parecer um resort enorme, (trata-se do maior hotel com Centro de Congressos na Europa) tem tudo aquilo que precisamos para umas férias em família, sem preocupações ou stress. Aquele tipo de férias que nos permite ler um livro descansado, divertir-se, comer bem, dormir sestas pela tarde e dar uns belos passeios junto à praia.


Eis alguns pontos que me surpreenderam:

  • A comida é excelente. Não imaginei que fosse possível juntar tamanha qualidade e serviço num resort de tudo incluído. Foi mesmo surpreendente. Bancadas de buffet com ótima apresentação e muita variedade. Todos os dias mudávamos de restaurante – são 4 no total: o de comida do mundo (Brújula) tinha um pouco de tudo, indiana, turca, chinesa etc. O restaurante de comida italiana (El Calé) tinha ótimas pizzas e massas e o restaurante de comida Americana Tex-Mex (Cormoranes) tinha tacos, hamburgeres, cachorros quentes e afins. O restaurante de comida Andaluzia (El Estero) simulava um mercado à espanhola, onde saltavam à vista os enormes camarões, e a típica paella.  Há ainda um restaurante à la Carte (Camarina) mas não cheguei a ir. Ao pequeno-almoço destaco o sumo de laranja natural e os típicos churros. Também pode optar por meia-pensão (pode escolher almoçar ou jantar). E sim, perante este cenário delicioso, recomendo vivamente o regime de tudo incluído (pulseira).
  • O programa de animação para as crianças superou todas as expectativas. Desde espetáculos alusivos aos filmes da Disney, mini-disco, aos espetáculos de magia no jardim, caça ao tesouro, sala de convívio para os teenagers, parque aquático, insufláveis na piscina…a equipa de animação não pára, quer para adultos, quer para crianças! As noites terminavam com todos a dançar no anfiteatro.


  • O SPA do Hotel Barceló Punta Umbria Beach Resort é espetacular – são 2500 m2 de relax! Tem uma piscina enorme com vários jatos de massagem, jazuzzis e um circuito de hidroterapia. Há um horário específico para as crianças (de acordo com as suas idades) e outro horário só para adultos (achei ótimo). Ao contrário de alguns SPA’s que já visitei, neste é permitido as crianças entrarem, desde que acompanhadas pelos adultos – escusado será dizer que adoraram. Quanto às massagens o atendimento é personalizado e muito profissional. Fiz uma massagem incrível de corpo inteiro, “Lomi Lomi” e que bem que me soube.
  • O ginásio é TOP. Os equipamentos de cycling, os campos de paddle ou de ténis, os professores, o circuito de cross-fit… Adorei as aulas de bodybalance ao ar livre, logo pela manhã – que ótima forma de começar o dia. E sim, as aulas de bodybalance e de zumba são gratuitas para os hóspedes. Para quem gosta de correr/jogging, andar de bicicleta há uma avenida enorme junto ao mar.
  • Ao abrir a varanda do quarto, a vista é de pasmar. A praia é enorme (só para terem ideia, é maior que a do Porto Santo). É uma zona com muito sol (3200 horas por ano), que nos aquece sem demoras. O verde das árvores, o azul do céu e do mar acompanha-nos sempre e ouvem-se os passarinhos nas árvores.
⇒ Veja a vista do quarto nas instastories
Como são os quartos do Hotel Barceló Punta Umbria Beach Resort?

Os quartos têm imensa luz com uma decoração muito atual e detalhes luxuosos. As camas e as almofadas são confortáveis, tudo branquinho como eu gosto. Há minibar no quarto, TV de écran plano e bons guarda roupas. A casa de banho é espaçosa e moderna.

 Vejam as fotografias do Hotel
O que há para fazer ao redor Hotel Barceló Punta Umbria Beach Resort?

 

A cidade de Punta Umbria ao início estranha-se mas depois entranha-se. Tem um charme de vila piscatória com algumas casas pitorescas, da época dos mineiros, sobretudo junto à ria. Dão-se belos passeios a pé ou de barco. Foi aqui que comi os melhores gelados artesanais que já provei, ao nível dos melhores de Roma! Sugestão: o gelado mil folhas.  Sevilha fica a apenas a 1 hora de distância, e é uma cidade com muito para ver.

Que tal é a praia junto ao Hotel Barceló Punta Umbria Beach Resort? E as piscinas?

Tem uma área gigante de piscinas para adultos e crianças (4000 m2 de área) e muitas áreas verdes ao redor. Além disso, fica na primeira linha da praia, é só atravessar a estrada. A praia é de areia amarela e a água não é demasiado fria. Tem um dos por de sol mais belos que já vi. Não explorei muito a praia, mas há hipótese de fazer SUP, caiaques ou vela. Tem também imensos bares com musica à noite e dizem que tem bom ambiente. As piscinas são de facto enormes e há imensos bares junto à piscina com cocktails, snacks, gelados e fruta fresca já cortada em palitos e servida em pequenos copos.

Caminho de acesso à praia

 

Como chegar ao Hotel Barceló Punta Umbria Beach Resort?

A localidade chama-se “Paraje de los Enebrales” um parque natural de Punta Umbria, com espécies protegidas, como camaleões. Fica a 15 km de Huelva e 45 km de Sevilha (1 hora de carro pela A 49). Para facilitar a logística, optamos por alugar carro em Lisboa (viemos pela A 22), mas também poderíamos ter ido de avião até Faro e alugar carro no Algarve. Há um parque de estacionamento nos arredores barato, 1 semana custava na altura 7 €.

O Hotel Barceló Punta Umbria Beach Resort é uma boa opção porquê?

Porque os pais também precisam de férias e ali tratam-nos de tudo…com muito gosto, simpatia, profissionalismo e qualidade. Tudo feito a pensar nas crianças, ou por outras palavras: 

Crianças felizes – Pais descansados.

Por isso fica a sugestão!! Quem sabe encontramo-nos lá 🙂

 Reservas online ⇒ Barceló Punta Umbria Beach Resort


Subscreva a From Madeira to Mars Newsletter e receba novos artigos diretamente no seu e-mail. 

Siga-me também no Instagram ou no Pinterest 😉

 

 

Alugar carro na Madeira, porquê?

Alugar carro na Madeira, porquê?

Se pretende alugar carro na Madeira ou saber qual é a melhor forma de circular na ilha, este artigo é para si.

*Informação a janeiro 2019

Razões para alugar carro na Madeira:

1. Veja mais em menos tempo

À primeira vista, a Madeira pode parecer uma pequena ilha com cerca  de 57 km de comprimento (leste a oeste) e 22 km de largura. No entanto, basta um olhar mais atento para perceber que demora cerca de 3-4 horas para ir do Funchal ao Porto Moniz, de transportes públicos, mas cerca de 1 hora a percorrer a mesma distância de carro.

Porquê? Devido ao seu terreno montanhoso. O itinerário do autocarro público é geralmente mais longo, pois inclui paragens que servem as populações locais, ao longo do trajeto. De carro, pode percorrer as estradas e os túneis para chegar mais rapidamente ao destino.

2. Desfrute de estradas bem sinalizadas

Regra geral, as estradas da Madeira estão bem sinalizadas. As vias mais rápidas são a VR1 (via rápida) e as Vias Expresso: VE1, VE2, VE3 e VE4, que interligam as principais localidades da ilha.

3. Conduza em estradas cénicas

A Madeira oferece cerca de 170 km de costa, com estradas espetaculares junto ao mar e às falésias. Em alguns percursos, pode ver belas cascatas de água junto à estrada, especialmente na costa norte e sudoeste.

4. Viaje ao seu próprio ritmo

Em férias, ninguém gosta de andar apressado.  “Pare quando lhe apetecer ” é o lema das minhas viagens preferidas. Ao alugar um carro pode, obviamente, viajar ao seu ritmo, já que não tem que seguir o horário do autocarro. Note que em algumas localidades só existem 2 a 4 viagens de autocarro por dia.

5. Faça praia e montanha num só dia

Uma das coisas que mais gosto, quando conduzo um carro na Madeira, é ir do mar à serra no mesmo dia. Posso começar a manhã a apanhar banhos de sol na praia e depois, almoçar algures na bruma das montanhas. Depois, posso ainda fazer uma levada e terminar o dia a ver um pôr do sol fantástico, num dos picos mais altos da ilha.


Na semana passada, aluguei um carro na Why Not Car Rental, na Madeira. Espero que este artigo vos possa ajudar a esclarecer algumas das dúvidas mais frequentes, em relação ao aluguer de carros.

1. Qual é o melhor carro para alugar na Madeira?

Eu pretendia um carro de aluguer económico. Escolhi um da classe B – um Fiat 500, a gasolina. O carro estava em boas condições (e com extras incluídos como um telhado de vidro fixo, carregador USB e bluetooth para o telefone). Não tive problemas ao conduzi-lo, mesmo ao subir a estrada íngreme e montanhosa até ao Pico do Areeiro. No entanto, tome a melhor decisão de acordo com o seu orçamento. Se são mais de dois passageiros, se tem bagagem extra ou se planeia conduzir fora das estradas principais, é melhor optar por um motor mais potente.

Ao escolher o tipo de carro, leve em consideração que na Madeira, existem estradas íngremes, estreitas e junto a falésias. Conduzimos do lado direito, e usamos a embraiagem com frequência. Tenha cuidado e respeite os limites de velocidade. Lembre-se de verificar com antecedência, se tem direito a estacionamento gratuito no seu alojamento, caso contrário conte com essa despesa adicional.

2. Que documentos necessita para alugar um carro na Why Not Car Rental?

É necessário apresentar Cartão de Cidadão/Passaporte e carta de condução válidos.

3. Como reservar um carro na Why Not Car Rental? Quanto pode custar?

Pode fazer a reserva através do site, por telefone +351 969 528 916 (WhatsApp disponível) or por email: reservations@whynotcarrental.com. 

PASSO 1 ⇒ enviei um EMAIL para reservations@whynotcarrental.com 
com a seguinte informação:
  • Nome e idade
  • Tipo de carro – Veja o  site para verificar a frota existente e os preços.
  • Local de levantamento/entrega  (Funchal / Aeroporto – Santa Cruz).
  • Datas e horas de levantamento/entrega  – Horário normal de funcionamento é das 8h30 às 18:30h (Fora deste horário, há uma taxa)

Se pretende fazer o levantamento do carro no Aeroporto da Madeira, o escritório Why Not Car Rental fica na Rua do Cano 9, Santa Cruz (a cerca de 3 minutos de carro do aeroporto). Uma carrinha irá buscá-lo às chegadas do aeroporto (pode enviar o número do seu voo com antecedência).  Pode também solicitar a entrega / recolha do carro no hotel, mas há uma taxa extra de acordo com localização.

PASSO 2 ⇒ Recebi um EMAIL com 2 opções de preços:
com / sem cobertura total.  

O preço varia de acordo com o número de dias de aluguer (1-2 dias, 3-6 dias or 7+ dias). Se o aluguer do carro for superior a 7  dias, a tarifa para este Fiat 500 era de 24,00 euros* / dia. 

* Informação válida a 22/01/2019  Para verificar os termos e condições clique aqui.

PASSO 3 ⇒ Escolha a opção de preço mais adequado para 
receber um email com o número da reserva.

 Clique aqui para verificar os preços e o que está incluído na cobertura total 

Certifique-se de guardar o número de reserva para apresentar no dia do levantamento do carro.

PASSO 4 ⇒ Levantamento do carro

Levantei o carro no escritório da Why Not Car Rental – Funchal. A localização é central, a norte do Jardim Municipal, perto do Posto de Turismo da Madeira.
Endereço: Rua Ivens, 12, 13-B 9000-046 Funchal.

Tratamos da documentação rapidamente, e fiquei com uma cópia do contrato. O estacionamento fica mesmo ao lado do escritório. Após verificar quaisquer danos externos no carro, estava pronta para sair da garagem. A equipa foi educada, simpática e prestável.

Rua Ivens

Funchal Office

Why Not Car Rental Parking

PASSO 5 ⇒ Entrega do carro

De regresso à garagem na Rua Ivens, fez-se a verificação do carro para ver se havia algum dano, e a entrega das chaves.

P.S- Não se esqueça de reabastecer o carro antes de o entregar. Aconteceu com um amigo meu e ele quase perdeu o voo à procura do posto de gasolina mais próximo!

A Why Not Car Rental prestou um ótimo serviço, o carro não dececionou, e a equipa foi profissional e simpática. Para mais informações clique aqui.


Aqui fica o meu testemunho do aluguer de um carro na Madeira. Espero que o ajude a planear a próxima viagem;)

 

Disclaimer: Este artigo foi suportado pela Why Not Car Rental, mas as opiniões aqui expressas são da minha autoria.

Onde assistir ao fogo-de-artifício da passagem de ano no Funchal?

Onde assitir ao fogo de artifício na passagem de ano?


Há quem diga que o melhor local para assistir ao fogo-de-artifício da passagem de ano, no Funchal, é no mar. E, embora espetacular, existem também excelentes alternativas na cidade.

Funchal visto do mar

Deixo aqui algumas sugestões onde obter (gratuitamente) uma boa perspectiva do fogo de artifício no Funchal!

Palheiro Ferreiro

Pico dos Barcelos
Parque de Santa Catarina
Paiol
Fortaleza do Pico
Rua dos EUA
Miradouro das Cruzes
Marmeleiros/Monte

O Garajau fica já fora do Funchal, mas também oferece uma bela perspectiva da cidade.

Garajau

Junte os amigos e a família, leve a sua garrafa de champanhe e prepare os seus votos para o Ano Novo! Vamos fazer de 2019 um bom ano! 😉

Feliz Ano Novo 2019 ❤︎



Natal, da Madeira até Marte

O Natal da Madeira até Marte…

Há tanto para contar sobre o Natal na Madeira, que nem sei bem por onde começar…

À partir de meados de dezembro, as pessoas dão abraços sentidos nas ruas, acompanhados de saudações de “boas festas”.

As noites amenas prolongam-se em passeios para ver as “as luzes”, com a família ou amigos.

A canja, o cacau e as sandes de carne de vinho e alhos, aquecem manhãs madrugadoras, cheias de afazeres.

Batem-se às portas para visitar amigos e vizinhos, para provar os pickles, as cebolas avinagradas, e partilhar receitas de broas e licores. Cantar, comer e beber, mas sobretudo conviver.

O Natal na Madeira são as lapinhas, as missas do parto, a noite do mercado, as searinhas, os bolos de mel, os sapatinhos, e todas essas memórias da infância, passadas de pais para filhos.

As iluminações nas ruas são do melhor, a começar pelos “carreirinhos” de luzes que se veem nas montanhas desde o cais, e os números do ano, iluminados a cada esquina, desta linda casa que se chama Funchal.

O Natal na Madeira é especial. Para compreender há que passear pelas ruas da ilha, e sentir o ambiente (e a temperatura) que aqui se respira. O convívio, a partilha, o burburinho, as cantigas, as tradições…tudo se transforma em festa, numa magia contagiante.

Aqui entre nós – tive um jantar de Natal com a minha família, no início deste mês. Reuniram-se 50 pessoas, e entre pais, irmãos, filhos e primos do primeiro ao terceiro grau (que não se viam há imenso tempo), fez-se Natal.

É que o Natal faz-se Natal quando percebemos de onde viemos e porque somos quem somos.

É que o Natal é quando nos sentimos em casa.

É um aflorar constante de emoções, onde todos pertencem e são bem-vindos, amigos, familiares, conhecidos e desconhecidos, da Madeira até Marte.

Desejo-vos umas Boas Festas ♥

Trago aqui estas prendinhas…um vídeo com fotos das iluminações de Natal na Madeira. 😉

PS – A todos aqueles que passam o Natal sem os seus entes mais queridos, um forte abraço. Que os amigos vos batam à porta e que encontrem conforto numa canja de galinha a fumegar – só não vale desistir! Um brinde à vida e que venha 2019 🙂

Conheça 7 superstições da Passagem de Ano na Madeira.



Booking.com


							
Vereda do Pico Branco e Terra Chã

Caminhada no Porto Santo – Vereda do Pico Branco e Terra Chã.

Passeios no Porto Santo – Vereda do Pico Branco e Terra Chã




No passado fim de semana, fizemos uma escapadinha ao Porto Santo. Estávamos a precisar daquela paz.

Porto Santo

Fizemos o percurso a pé, do barco até ao hotel Praia Dourada – 40 minutos a conversar à beira-mar, a ver o reflexo da lua no oceano, a ouvir as ondas e a procurar estrelas no céu. Até cantàmos…

Quando na manhã seguinte, não ouvimos o despertador tocar, percebemos logo que o descanso tinha chegado. Estávamos ferrados no sono, depois de uma semana atribulada.

Apesar dos 19ºC que se faziam sentir, havia vento e alguma chuva, por isso pensamos duas vezes se faríamos a Vereda do Pico Branco e Terra Chã – ainda bem que fomos.

Como chegar à Vereda do Pico Branco e Terra Chã?

Para lá chegar, podemos ir de carro até à entrada da vereda, via portela. É fácil encontrar o início do percurso, onde há ainda um local para estacionamento. Do centro da Vila Baleira até lá, são cerca de 15 minutos de carro (de táxi custa cerca de 14 euros).

O Pico Branco e a Terra Chã são ambos acessíveis por esta vereda. Demoramos cerca de 2 horas para chegar ao Pico Branco e depois voltamos para trás, para chegar à casa da Terra Chã (mais 400 metros). Fizemos depois o mesmo percurso, no regresso ao estacionamento.

Não é fácil encontrar adjetivos que façam justiça à beleza deste local – encantador, irreverente, inesperado, mágico…

Encantador porque os caminhos contornam o pico e vislumbramos a serra, as falésias, a praia, o mar, e as belas curvas das montanhas.

Irreverente, porque é um passeio de contrastes. Tem algumas subidas e descidas, que se fazem com passos ora leves, ora carregados. É como a vida (alguém dizia). Tem sombra de árvores e emoções fortes, assoberbadas pelos contornos das rochas, vistas inesperadas e passagens vertiginosas, onde o coração bate com mais força. Apesar de não ser muito difícil no geral, tem algumas áreas desprotegidas, que merecem especial cuidado – fomos com um guia.

Mágico – porque o Porto Santo tem esta capacidade de nos acalmar o espírito.

Aqui deixo algumas fotos da Vereda do Pico Branco e Terra Chã

Vereda do Pico Branco Porto Santo

Vereda do Pico Branco Porto SantoVereda do Pico Branco Porto Santo e terra chã

Ainda houve tempo para uns passeios pelo centro e caminhada na praia.

Vila Baleira Porto SAntoPraia do Porto SantoComo dizia um amigo meu há uns anos atrás, ninguém deveria passar pela Madeira sem conhecer também a natureza do Porto Santo.

Fica a dica – uma escapadinha ao Porto Santo em novembro 😉

40 Fotografias que irão fazê-lo querer visitar o Porto Santo

Reserve o seu hotel aqui.

Levada Rabaçal Madeira

À procura das cascatas do Rabaçal – uma caminhada nas Levadas da Madeira


À procura das cascatas do Rabaçal – uma caminhada nas Levadas da Madeira

No passado mês de Setembro, a Hit the Road Madeira lançou uma nova excursão na Levada do Rabaçal, na parte oeste da Madeira. O objectivo era mostrar aos visitantes as belas cascatas do Rabaçal, longe da mais conhecida e movimentada Levada das 25 fontes.

Deixe-me contar mais sobre as Cascatas do Rabaçal …

O PICK UP foi às 8:45. O ponto de encontro foi na zona velha do Funchal, perto do teleférico. Eramos um grupo de 4 pessoas, mais o motorista, o Vitor e a guia de montanha, a Lisa. Pelo caminho, paramos na Ponta do Sol para comprar o almoço, numa padaria aconchegante e com preços acessíveis, mas se preferir, pode também optar por trazer o seu próprio “piquenique”.

A caminhada percorre 14 km e dura cerca de 5 h 30 m. Os trilhos das Levadas são geralmente irregulares, com raízes, pedras e poças escorregadias. Pode também encontrar troncos de árvores, mesmo acima da sua cabeça.  Tome cuidado e preste atenção às instruções de segurança. Felizmente, tinhamos a Lisa, que nos avisava com antecedência dos perigos, para que pudéssemos estar mais orientados e apreciar as vistas. Em relação ao equipamento, também precisa de botas de montanha, casaco e calças impermeáveis (caso haja chuva), mochila, luvas, gorro / chapéu e protetor solar. Os bastões de montanha podem ser úteis. Havia alguns disponíveis no carro, que nos emprestaram – uma boa atenção. Tivemos sorte com o tempo: um dia de sol, céu azul e quase nenhum vento.

A caminhada começou na Levada do Alecrim em direção a um belo local chamado Fonte do Lajeado (também conhecida como Lagoa Dona Beija).
Depois, descemos para a Lagoa do Vento, onde o caminho se tornou um pouco mais desafiante, com degraus, descidas e alguns trilhos escorregadios. Mas, oh, se vale a pena, pois finalmente vimos essa enorme cascata de 100 metros e a Lagoa do Vento – que visão maravilhosa. Ali encontravam-se alguns casais, que aproveitavam o sol, a paz verde e os céus azuis, enquanto ouviam o som poderoso e calmante da água. Encontramos um canto agradável para fazer o nosso piquenique, e tivemos algum tempo extra para relaxar.

Depois regressamos, e continuámos a caminhar para um local muito bonito, que costumava ser a casa dos guardas florestais do Rabaçal – Rabaçal Nature Spot Café. Além de poder visitar esse local único, fizemos uma pequena pausa para o chá e o bolo. Dica: experimente as deliciosas Queijadas, feitas com requijão madeirense.

A última parte da caminhada foi rumo ao túnel de 800 metros, o Túnel do Cavaleiro. A Lisa deu-nos algumas lanternas para o atravessar. É largo o suficiente para ser confortavelmente atravessado, mas nalgumas partes há que tomar cuidado e baixar a cabeça, tal como a Lisa nos alertou. O final, abre-se a uma vista inesquecível.

Depois de mais alguns minutos a pé, pudemos ver o Vitor à nossa espera. Voltámos ao Funchal por volta das 17h15.

O que há de especial nesta caminhada?

É uma rota bonita no Rabaçal, diversificada e bem selecionada. Embora o trilho seja desafiante nalgumas partes, foi relaxante no seu todo.
Não havia muita gente a fazer este precurso (podíamos ouvir o silêncio da floresta, os pássaros endêmicos como o tentilhão e a água a correr no canal da Levada).
Como eramos um pequeno grupo, tivemos muitas oportunidades de tirar fotos e conversar, enquanto guiados pela Lisa. Ela é uma guia de montanha cuidadosa e apaixonada pelo seu trabalho, com muito conhecimento na área da Botânica. Vimos paisagens incríveis, várias cascatas e lagoas, mesmo no coração da floresta Laurissilva.

Aqui partilho as minhas fotos desta caminhada:

Levada do Alecrim Levada do Alecrim
Lagoa do Vento Lagoa do Vento

Levada Walk Madeira

Levada do Alecrim | Lagoa Dona Beija ou Fonte do Lajeado
Levada do Alecrim Tour Our guide Lisa – Hit the Road Madeira Tours
Lagoa do Vento, Madeira Can you spot the waterfall?
Lagoa do Vento, Madeira Lagoa do Vento
Lagoa do Vento Lagoa do Vento

Rabaçal Levada

Rabaçal Nature Spot Café Rabaçal Nature Spot Café

Levada do Alecrim detail Levada Walk

mountain boots levada walk #fromwhereistand

Levada walk Not bad for a November day…;)
Túnel do Cavaleiro, Madeira Túnel do Cavaleiro

Levada walk Flowers in Madeira

Se estiver interessado neste passeio, clique aqui para reservar a Rabaçal Waterfalls Hike.
Pode usar o código MARS para obter um desconto de 10%.

Este passeio foi cortesia de Hit the road Madeira, mas as opiniões expressas são da minha autoria.

Procura um hotel na Madeira?



Booking.com

Subscreva a From Madeira to Mars Newsletter e receba um PDF com um pequeno Guia da Madeira diretamente no seu e-mail. 

Sessões Fotográficas na Madeira

Sessões Fotográficas na Madeira

Há uns meses atrás, comecei a ver no Instagram algumas fotos da Madeira, que me captaram a atenção. Havia algo de diferente…a luz, a composição, o estilo, e até mesmo a citação! 🙂

 

Enquanto percorria a galeria, gostei de todas as fotografias, e fiquei curiosa…Quem é Benjamin Begin?

 

View this post on Instagram

As always, pic by @kennylkemp

A post shared by Benjamin BEGIN 📷 (@benjamin_artwork) on

 

A biografia indicava o seu site e lá encontrei que fazia sessões de fotografia. Como precisava de novas fotos para o meu Airbnb e arredores (e tinha acabado de receber a t-shirt Walkingframe From Madeira to Mars), estas sessões de fotografia pareceram-me a combinação perfeita.

 

 

Enviei-lhe uma mensagem direta no Instagram e foi assim que nos encontramos. Marcamos um café (a pré-entrevista), e disse-lhe o que pretendia das fotografias. Escolhemos o local, hora e data para a sessão de fotos. Mostrei também alguns exemplos de fotos que gosto. Ele perguntou-me exatamente o que procurava em termos de estilo e cenário das fotografias, e até mesmo o quão confortável me sentia do outro lado da lente.
Enviei-lhe os locais que queria fotografar, com antecedência, para planear melhor o nosso tempo.

Concordei em fazer a sessão de meio dia, pode verificar aqui os preços.

O Benjamin põe-nos logo à vontade em frente da máquina fotográfica, sem poses, e num ambiente descontraído. Percorremos um local de cada vez, sem pressa, mas tentando aproveitar ao máximo, o que cada sítio tinha para dar. O mais importante é que passamos um bom momento, numa manhã divertida. A sessão terminou com um café no Legs Eleven (adoro este lugar e seu logotipo) e troca de ideias sobre redes sociais.

 

Quando recebi as minhas fotografias, fiquei muito feliz com o resultado.
Clique aqui para ver as fotos do Airbnb.

Os meus hóspedes do Airbnb dizem que as fotografias e os comentários, foram os aspectos mais determinantes ao reservar o meu apartamento.
Quanto às fotografias nos arredores, além de me ajudarem a promover o apartamento, o meu blog e o Funchal em geral, foram também uma excelente forma de criar boas memórias.
Às vezes esquecemo-nos de que podemos ser viajantes na nossa cidade.

 

A fotografia é uma das minhas paixões, mas também é bom estar do outro lado da lente e partilhar esses momentos com pessoas que sentem o mesmo.

Permitam-me apresentar-vos o Ben:
“Eu sou Ben, nascido em 1985 em Estrasburgo, uma das sete maiores cidades da França, muito tradicional, com o seu centro reconhecido como Património da UNESCO. Estudei marketing e sempre tive um gosto pela arte, sobretudo na área da pintura, quando morava em França. Fazia graffiti e telas antes de passar para a fotografia, o que aconteceu na ilha da Madeira. Vim porque aceitei um emprego, pois o meu melhor amigo criou a sua empresa aqui, em 2009 e solicitou minha ajuda na área de marketing. Comecei a fotografar há 5 anos, por prazer. A fotografia passou rapidamente a ocupar muito espaço na minha vida.

O teu lugar preferido para fotografar na Madeira?
Eu diria fanal, pico do Areeiro e costa norte em geral, mas o lugar não importa realmente. Na fotografia, tudo é luz, e a luz na Madeira é bastante impressionante, especialmente naqueles meses (setembro, outubro, novembro). Gosto de fotografar em qualquer lugar, no momento em que a luz é especial.

Qual é a tua comida / restaurante local favorito?
O prego do Restaurante Balcony, o bar well.com na cidade, e o peixe/marisco.
Eu não gostava muito de peixe antes de vir para a Madeira, mas esta ilha mudou a minha mente, em muitos sentidos.

O teu ponto de encontro?
Mini Eco Bar no Funchal. Gosto tanto de lá estar que até vou sozinho para descontrair ou desfrutar de um bom cocktail, mas na maioria das vezes, sei que vou encontrar alguém que conheço.

Se um amigo vier visitar-te, onde o levarias?
Ao nascer do sol no Pico do Arieiro, com certeza, ou a um dia de surf no Porto da Cruz. A melhor forma de apreciar a Madeira é a incomum, e a escola de surf é muito boa, simpática e profissional ao mesmo tempo. Levava-o também à Levada do Caldeirão Verde, que é para mim a mais “wow” que fiz até agora. Gosto também da Fajã dos Padres. Acho que ainda é um lugar subestimado. O tempo pára por alí, é um lugar especial, gosto por muitas razões.

Viver na Madeira, do que mais gostas?
Com certeza a qualidade de vida, o clima e o fato de eu ter realizado um dos meus sonhos mais antigos (uma fantasia, posso até dizer): ser surfista. Diria que é minha relação com o oceano. Em Estrasburgo morava longe do mar, (apenas via o mar nas férias de verão). Sempre vi o mar como um privilégio, tê-lo à minha frente todos os dias, é algo que já não dispenso.

O que mais sentes falta de França?
Comida e, mais especificamente, QUEIJO!

A tua viagem de sonhos?
Bali sem hesitação e toda a Ásia em geral. O sonho do sonho seria uma longa viagem por toda a Ásia.
Islândia, logo depois.

O teu lema?
O meu lema é não ter um. Não gosto muito de me fixar numa ideia. Gosto de mudar a minha opinião quando é necessário. Mas se tivesse que ter um lema, seria “escuta mais a tua intuição do que as pessoas”. A intuição é algo muito poderoso. Intuição e intenção. Posso ver isso na fotografia. A minha primeira intuição dá-me sempre as melhores fotos. Se ouvirmos muito as pessoas ou tentarmos agradá-las, nunca fazemos nada.

Por isso, além de dar dicas úteis sobre a Madeira, 🙂 acredito que o Ben é um ótimo fotógrafo, confiável e profissional, além de uma boa pessoa para conhecer. Não hesite em reservar uma das suas sessões fotográficas na Madeira. Pode também acompanhar o seu trabalho no Instagram.

 

Obrigada Ben e boa sorte! 😉

Gostou deste post? Pin it!

Pode também subscrever a minha newsletter e receber artigos mensais diretamente no seu email. Clique aqui para subscrever ♥

 

As noites dos L estão de volta à Ponta do Sol!

Os Concertos L regressam à Estalagem da Ponta do Sol! Este Festival de Música Independente celebra-se oficialmente há 10 anos, apesar de, até bem antes disso, já se fazerem pequenos ciclos de concertos. Pessoalmente, recordo com muita emoção, os concertos que tive oportunidade de assistir.

Fotografia gentilmente cedida por Concertos L

Fico sempre, agradavelmente, impressionada com o ambiente que aqui se vive…o culto, a descontração e o som que ecoa no vento, no mar e no anfiteatro perfeito que é a Ponta do Sol.

Porque devem ir a estes concertos? O Nuno Barcelos, responsável por este festival, deu-nos as respostas:

 

Concertos L. L porquê? 

O nome Concertos L apareceu de um conceito já existente na Estalagem da Ponta do Sol, a L – Community (comunidade de membros da estalagem). L vem de Lifestyle, Leisure, entre outros…

O que mais gostas neste Festival?

Da liberdade artística, do seu público e do local onde decorre…

O não depender de marcas, patrocínios ou modas, permite criar uma programação livre de pressões de qualquer índole, e trazer algo diferente e inovador…

Do seu público, porque temos o melhor público da Madeira, interessado, respeitador, de várias idades e grupos…

Do acontecer num local muito pouco provável (para um festival de música): um jardim a 80 metros de altura, com um bar, restaurante e hotel…a Madeira no seu melhor, a nível de cenário. 

Qual foi o concerto que mais te impressionou até hoje?

Não posso dizer “O concerto”, pois já trouxemos tantos nomes geniais, que se torna muito difícil. Relembrando apenas alguns, posso dizer que fiquei verdadeiramente impressionado com Sevdaliza, Tcheka, Jambinai, Ricardo Ribeiro, First Breath After Coma, entre tantos outros…

Fotografia gentilmente cedida por Concertos L

Qual é a banda que estás mais ansioso por ver atuar este ano?

Mais uma vez torna-se difícil dizer uma banda, mas sem dúvida Kristoffer Lo, pela forma única como apresenta o seu som quase sensorial, Aisha Badru pela voz incrível, Edmar Castaneda pela sua genialidade no instrumento. Cada artista foi escolhido por ser único na sua área. Estou muito curioso para ver todos ao vivo e verificar como funciona. 

Boas razões para assistir aos concertos L?

São várias. Acima de tudo a oportunidade de conhecer uma programação totalmente diferente, uma programação que foi muito estudada e que pretende trazer nova música e provocar novas formas de sentir a música.  Como já referi anteriormente, é o local único e o seu público fazem dos Concertos L uma experiência sempre desafiante e enriquecedora. 

Obrigada Nuno!

Fotografia gentilmente cedida por Concertos L

Lá no alto da Estalagem, o tempo para. Somos só nós, a noite e a ilha, unidos pela música. Vemo-nos nos L. 
Até lá. 
Sofia

Fotografia gentilmente cedida por Concertos L

Leia também este artigo para saber onde encontrar mais música ao vivo na Madeira.

Como fazer “Sonhos”, a receita do meu pai.


Receita de Sonhos, à moda do meu pai.

Os sonhos são um dos doces tradicionais do Carnaval na Madeira.

Aqui partilho a receita do meu pai:

Ingredientes:

1 chávena de farinha (125 gr)
1 chávena de leite (250 ml)
1 colher de café de Sal
1 colher de café de açúcar
2 cascas de limão
1 pau de canela
1 colher de sobremesa de manteiga
3 ovos
1 colher de chá de fermento

Modo de Preparação:

Numa panela deite o leite, o sal, o açúcar, as cascas de limão, a canela e leve a ferver. No final junte a manteiga.

De seguida, deste neste preparado a farinha (peneirada) com o pó royal, mexa bem e reserve.

Logo que arrefeça, bata bem a massa juntando os ovos, um de cada vez.

Modo de Cozer:


Numa panela deite óleo até perfazer uma altura de 6-8 cm. Aqueça e quando estiver quente, junte uma colher de sopa da massa. Assim que começar a fervilhar e a vir à superfície, pode deitar uma a uma as colheradas de massa. Tente manter a temperatura do óleo evitando o sobre aquecimento.

As ‘bolinhas’ de massa, cozem, crescem e giram sobre si até estarem cozidas/douradas.

No final, com a ajuda de um garfo retiram-se da panela e coloca-se sobre uma superfície forrada com papel a arrefecer.

Nota: A título de curiosidade a cana sacarina foi introduzida na ilha da Madeira por volta de 1425, importada da Sicília por ordem do Infante D. Henrique. Actualmente a maior parte da produção dirige-se para a produção do mel de cana.

E agora vem a melhor parte…deliciem-se! 🙂


Gostaria de receber no seu email, mais artigos como este? Subscreva este blog ao clicar aqui ♥ 


PS- Saboreie com o delicioso Mel de Cana de açúcar. Se estiver na Madeira, encontra-o na maior parte dos supermercados e lojas de produtos madeirenses. No que se refere a compras online, encontrei mel de cana no site da Amazon.


Alguns links neste site contêm referências a afiliados. Ao usar esses links está a contribuir para reduzir os custos de funcionamento deste site, sem qualquer custo extra para si.  Obrigada!


GuardarGuardar

GuardarGuardar

Design Centre Nini Andrade Silva

Sobre o Empreendedorismo…

No mês passado, passei uma das manhãs mais interessantes dos últimos tempos. À conversa num círculo de mulheres, tive o prazer de participar num debate organizado pelo Departamento de Economia e Cultura da Câmara Municipal do Funchal, através da Biblioteca Municipal do Funchal, com o intuito de promover a cultura empreendedora, intitulado: Empreender + “Conversando sobre Empreendedorismo”.

Empreendedorismo

Ouvi tantos testemunhos inspiradores, que me fez sentido juntar, neste artigo, alguns dos conselhos partilhados:

1- Não escolham um curso, apenas e somente, porque “tem saída”…

2- “Batam à porta até que ela se abra”. Pratiquem a persistência, a gratidão e a humildade. É preciso agarrar as oportunidades que surgem, ou fazê-las surgir. Por vezes, demora muito tempo, a recompensa não é imediata!

3- Usem bem o vosso tempo. Trabalhar e dar o melhor de nós, sem queixas ou preguiça.

4- Não há falhanços, há simplesmente novos caminhos (imprevisíveis) de chegar à meta.

5- Lutem contra o medo. Não pensem só no que pode dar errado…também aprendemos com a tentativa (e erros).

6- Cultivem-se! Nunca parem de aprender, desenvolvam novas competências. Usem os cursos online e a Internet de forma produtiva.

7- Sejam flexíveis. A capacidade de adaptação à instabilidade não é para todos, mas lembrem-se que a vida é curta e só a vivemos uma vez.

8- O sucesso não se mede só em €. Mede-se em feitos, em contactos, em conforto emocional, em experiências de vida.

9- Rodeiem-se de boas pessoas. Tudo o que conseguimos é também graças aos que nos apoiam.

10- As opiniões não são erradas só porque são diferentes das nossas. São apenas formas diferentes de olhar para a mesma coisa. Respeitem a opinião dos outros.

 

Ser empreendedor é encontrar soluções para a nossa realidade. É não ter medo de agarrar a vida pelos colarinhos, é ter vontade e capacidade para correr riscos. Ser empreendedor é uma caraterística da personalidade humana, há quem a desenvolva e quem não a desenvolva, e ainda bem que somos todos diferentes, porque o mundo precisa de todos nós, de igual forma.

O grande desafio da escolha de uma profissão é ter orgulho naquilo que se faz e ser reforçado positivamente por isso. Quando isso não acontece, o dito “empreendedor” tenta arranjar soluções alternativas. Assume a responsabilidade pelo seu caminho, não se acomoda ao que existe e cria a oportunidade. 

Esta conferência decorreu no Design Centre Nini Andrade Silva. O local não podia ter sido mais inspirador, junto ao mar, com o Funchal como cenário de fundo…

Design Centre Nini Andrade Silva

Vista sobre o Funchal desde o Design Centre Nini Andrade Silva

Contou com a presença de: Idalina Perestrelo – Vereadora da CMF; Raquel Brazão – Responsável pelo Balcão do Investidor; Carolina Brederode – Arquiteta, Coordenadora da Oficina Solidária e Empresária; Sara Santos – Empresária, Arquiteta de Interiores e Artista; Catarina Claro – Mediadora Cultural e Contadora de histórias; Nini Andrade – Designer de Interiores; Alunos da Escola Profissional Atlântico.

Aqui fica o link para a galeria com as fotografias do evento

Muito Obrigada!