Month: November 2014

Se pudesses viajar por um dia sem limites…o que fazias?

No passado mês de Fevereiro, viajei até Newcastle para a minha primeira conferência, como blogger. Leia mais aqui.  Adorei a experiência e até participei num concurso com a Contiki. Entre várias perguntas uma delas era: Se pudesses viajar sem medos ou limitações o que farias? Infelizmente não ganhei…mas fica aqui o vídeo 🙂 E vocês o que fariam?

Depois da tempestade vem o Sol na Praça do Povo

Hoje fomos conhecer a nova Praça do Povo. Começamos o dia com o pequeno almoço no clássico Apolo, mas hoje algo estava diferente. O Kash, www.Budgettraveller.org, fez este video que partilhamos convosco, se gostarem também podem partilhar. A vista prolongava-se até ao mar, já nao havia muros nem barreiras e as pessoas circulavam em liberdade. Sorrisos e abraços, corridas e contemplação, cores e flores, a cidade namora o mar. Com os pilares em diferentes alturas, a relva, as flores, as árvores, as cores e o mar, adoramos o resultado final. Há movimento, cor, paz e alegria. Fiquei logo a pensar, como as crianças vão adorar ali andar de bicicleta, como será fantástico correr a beira mar, os apaixonados encantar, como ali se pode relaxar, divertir, meditar ou simplesmente caminhar e apreciar a vista linda do Funchal. Foi o que fizemos. Alguém, dizia que no fim do ano havia de chegar as seis da tarde a este farol, esta passagem de ano promete!:) Nunca esqueceremos a tragédia do 20 de Fevereiro de 2010, mas certamente aprenderemos a …

“O caminho faz-se caminhando” Nascer do Sol, Pico Ruivo -Ensaio Fotográfico.

Nas palavras da minha amiga Eduarda: Há 2 semanas, quando fazia o percurso, para ver nascer o sol no pico ruivo, lembrei-me desta frase de António Machado: “O caminho faz-se caminhando.” Comecei a caminhada no escuro, apenas de lanterna na mão e quase sem perceber com quem estava , pois fora a convite de uma amiga, integrada num grupo que desconhecia. No escuro, apenas via o trilho e tinha pouco alcance de qual o percurso a fazer. Comecei a pensar como se igualava à vida, à qual damos início sem saber o que vamos viver e que rumo seguiremos. Estava frio e sentia-o na cara e nas mãos. Aos poucos fui aquecendo com o esforço da subida, sentindo por tal já calor e chegando mesmo a pensar se aguentaria o percurso, sem parar ou até desistir. Mais uma vez, pensei na vida, como as experiências que vivemos nos tornam  frios, quentes, tristes, felizes, entusiasmados ou até mesmo inflamados….como duvidamos perante as dificuldades, sem saber se conseguiremos chegar onde desejamos. Continuei confiante. Houve subidas e breves planos que me permitiram equilibrar e respirar mais …

Em 12 fotos: Julho, Agosto e Setembro.

Olá Amigos, Faz tempo que não escrevia… Já tinha saudades. Precisei de parar, de desbloquear, desligar e ligar-me mais ao essencial, recarregar baterias ou descarregá-las, tanto faz. Respirar. Mudar, de ares, de hábitos, de lugar. Dizem que o que nos torna mais motivados para viver é a mudança, o desconhecido e o inesperado. Para mim, isso faz-se ao viajar e não é preciso ir para muito longe. Viajar faz-me manter a esperança e ver a vida com outros olhos. “Viajar faz-me ver que pouco sei, que a vida não é a preto e branco, que não há certezas absolutas, nem justiça que não possa ser questionada e que a vida tem tido razão para me fazer parar e andar quando é preciso.” Este Verão foi assim, a perder o equilíbrio para tentar encontrá-lo. E se o que o que é bom para mim for bom para outros, partilho novamente convosco algumas imagens e palavras.   Da Madeira à Holanda, passando por Tenerife. Aqui ficam algumas memórias deste Verão. Julho, Agosto e Setembro em 12 fotos: 1. Holanda, Roterdão Em …

O Verão e o Carnaval de Roterdão

  Celebrating good times and togetherness in Rotterdam. Where more than 50% of the people that live here are not originaly from Holland. Loved the colours the dance, the music and happy smiles like this. Uma foto publicada por Ana Sofia (@frommadeiratomars) ligar Jul 7, 2014 at 9:55 PDT     Estavam 30 graus, o asfalto quente e os canais estagnados. Não havia brisa, nem pitada de nuvens. A cidade estava cheia de todo o mundo. Ao som da batucada dos tambores, rodopiando e curtindo o som caribenho que saía dos altifalantes, passavam milhares de pessoas de todas as idades.   “In the future everyone will be famous for 15 minutes” Andy Warhol #rotterdam #rotterdamunlimited #ru14 Uma foto publicada por Ana Sofia (@frommadeiratomars) ligar Jul 7, 2014 at 10:11 PDT Roterdão é fascinante. Não só pela sua arquitectura, pela vida cosmopolita holandesa, pela história que se escreve e o ambiente que se vive.   Capital of Contemporary Architecture #Rotterdam Uma foto publicada por Ana Sofia (@frommadeiratomars) ligar Jul 7, 2014 at 4:31 PDT   Roterdão é ilimitada, assim …